DicasEmpreendedor

7 dicas básicas para quem está começando a empreender

Postado em: 01 de Junho às 21:40 Por Giovanna Ziroldo

Entre desafios e aprendizados, o brasileiro que começar a empreender deve se atentar a alguns pontos importantes

O número de registros de MEI (microempreendedor individual) continua subindo e empreender está se tornando uma necessidade aos que estão sem fonte de renda neste momento. Entretanto, o mercado está saturado e são muitas as opções de produtos e serviços disponíveis pela internet.

Diante desse cenário, como aprender a criar e lidar com um pequeno negócio de forma eficaz? Pensando em te ajudar nesse processo, separamos algumas dicas importantes a serem levadas em consideração para você conseguir se destacar no mercado, mesmo em um momento tão desafiador.

1. Desenvolva sua ideia

Sabemos que boa parte das pessoas não possui tempo para grandes planejamentos, mas é preciso atenção na hora de desenvolver uma ideia de negócio, por mais simples que ela seja. Comece pensando na maior demanda de consumo que existe neste momento e perto de você: o que está sendo mais consumido no momento? A partir disso, veja quais são as oportunidades que estão ao seu alcance e aproveite-as.

Em seguida, compartilhe seus planos com possíveis clientes que estão por perto. Ouvir sugestões pode te ajudar, mas lembre-se também de manter um foco e ser totalmente racional, pois uma ótima ideia nem sempre funciona tão bem na prática. Por fim, comece a agir, sendo flexível e aperfeiçoando todo o processo, conforme seus acertos e erros. É preciso atenção para que você identifique onde algo pode dar errado ou em qual ponto terá mais dificuldades.

Pesquise também sobre seus possíveis concorrentes e o que eles estão oferecendo nas redes sociais. Veja quais são os pontos fracos e pontos fortes de quem já está no mercado, assim você não corre o risco de cometer os mesmos erros e consegue estabelecer um diferencial, ganhando mais chances na hora de conquistar o público. 

2. Priorize a organização

Ser organizado vai além do espaço físico e requer compreender todas as relações envolvidas, ordenar o processo de produção e cuidar do financeiro de forma lógica, entendendo que as mudanças ocorridas no ambiente externo afetam diretamente o seu microempreendimento, principalmente agora.

Mantenha-se informado e encontre a melhor alternativa para lidar com essas influências, mantendo todos os cuidados necessários. Para isso, é possível encontrar matérias e materiais onlines gratuitos sobre organização de negócios e o que é preciso para empreender. Pense no que você precisa e o que está ao seu alcance. A partir disso, comece a organizar tudo, mantendo processos de produção pautados em sua realidade.

Iniciar com uma lista do que precisa ser comprado, saber onde os alimentos e embalagens podem ser armazenados e entender melhor qual pode ser o seu público e como você pode chegar até ele é um ótimo começo! Além disso, faz parte de uma organização eficiente definir logo de início o capital a ser investido. Com quanto você pode começar? Quanto custará manter o negócio?

3. Pense nas funções básicas

Comece aos poucos e estabeleça as principais funções a serem executadas. Mesmo que você seja o único funcionário do seu negócio, é importante entender a diferença entre esses papéis que precisam estar presentes.

Em resumo, os principais pontos são planejar, produzir, cuidar do estoque, divulgar o seu produto, entregar e executar uma boa gestão financeira. Isso significa que é necessário projetar uma rotina de trabalho, montar um plano de ação (você pode iniciar com um planejamento mensal), pensar em estratégias de comunicação e estabelecer prioridades. Tendo esses papéis bem definidos, é possível pensar em quem pode fazer parte desse negócio com você.

4. Encontre parcerias

Não é fácil começar do zero, então reconheça o que pode ou não ser feito apenas por você e se pergunte onde é possível conseguir ajuda para resolver algumas tarefas. Todas as habilidades podem ser desenvolvidas: criatividade, boa comunicação, gestão e etc. Entretanto, é preciso ter tempo para isso e pode ser que focar em parcerias que agregam seja um caminho a percorrer. Opte por amigos que possuem conhecimentos diferentes dos seus e em negócios da sua região com um propósito semelhante.

5. Atenção ao fluxo de caixa

O fluxo de caixa diz respeito aos recursos financeiros que entram e saem do negócio. É assim que o empreendedor consegue acompanhar suas movimentações financeiras e sabe como as manter equilibradas. As principais etapas são: verificar o seu saldo inicial, mensurar todas as despesas, registrar todas as entradas e saídas de caixa e atualizar continuamente todos os valores que sofrerem alterações.

6. Realize uma boa gestão financeira

O conhecimento é a base para uma boa gestão. Para isso, você pode procurar por cursos gratuitos oferecidos por diferentes plataformas ou até filmes, que objetivam auxiliar quem está começando a empreender. Uma dica é a nossa plataforma, que possui cursos onlines como o “Todos Podem Empreender”. A partir de materiais e pesquisas, veja quais ferramentas podem colaborar para a sua organização financeira.

Além disso, é importante que você acompanhe o capital de giro, ou seja, todos os pagamentos de impostos, fornecedores, possíveis salários, contas fixas, estoque e outros. Mantenha também todos os documentos necessários organizados e automatize os processos: “o que você pode mudar para facilitar o dia a dia?”.  

Acompanhar o fluxo de caixa e as atividades desenvolvidas é fundamental, mas você deve checar também os resultados obtidos. Muitos, depois de empreender por um certo tempo, encontram o saldo positivo e acabam não dando tanta atenção para o desempenho do negócio. Por isso, esteja sempre de olho no que ainda pode ser melhorado. 

7. Atente-se às possibilidades

Com o tempo, você vai entender o que está te favorecendo ou não. Em momentos de incertezas, é preciso se atentar ao mercado que segue mudando. Verifique quais são as plataformas gratuitas que podem te ajudar no começo. Iniciativas que divulgam negócios locais e sites de compra, por exemplo, estão se mobilizando para auxiliar os pequenos comércios. Outra dica é investir no delivery. Se não tiver condições de pagar as taxas cobradas pelos aplicativos de entrega, busque por alternativas como cobrar pela entrega e realizá-la por conta própria, se lembrando de todos os cuidados necessários.

Post mais vistos

Vitrine do Fornecedor

Unilever
Kibon
DelValle
Coca-cola