Empreendedor

Orgânicos em alta

Postado em: 11 de Setembro às 14:34

A produção e o consumo de orgânicos atravessa grande crescimento.

Saiba mais sobre esses produtos e confira seus principais benefícios!

A oferta e o alcance dos produtos orgânicos crescem a cada dia em todo o país. Ainda que, para alguns, pareça modismo ou tendência passageira, os dados comprovam o crescimento: entre 2010 e 2018, o número de produtores orgânicos registrados no Brasil triplicou, segundo levantamento do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Com isso, a produção orgânica brasileira atravessa crescimento expressivo: em 2018, o faturamento foi de R$ 4 bilhões, resultado 20% maior do que o registrado em 2017, segundo o Conselho Brasileiro da Produção Orgânica e Sustentável (Organics). O Brasil, aliás, lidera esse mercado na América Latina.

De acordo com o supervisor de Sustentabilidade e Relações Internacionais no ISAE Escola de Negócios, Gustavo Loiola, os orgânicos são um nicho de mercado que vem se consolidando a cada ano. “Com a mudança na mentalidade dos consumidores e a ampliação do acesso aos produtos, o mercado tem ficado mais aquecido”, destaca. 

MAS, AFINAL, O QUE SÃO OS ORGÂNICOS?

Um dos motivos para a expansão desse mercado tem a ver com o baixíssimo – ou nenhum – impacto ambiental, trabalhando com as possibilidades que a própria natureza oferece. De acordo com o pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), José Antônio Azevedo Espíndola, os produtos orgânicos são aqueles obtidos em sistemas de produção associados aos princípios estabelecidos pela Lei nº 10.831, de dezembro de 2003. “Segundo essa lei, a produção agropecuária utiliza técnicas que fortalecem os recursos naturais, favorecendo a sustentabilidade, tanto a econômica quanto a ecológica. Os métodos agrícolas usados são biológicos, mecânicos e culturais. Não é permitida a utilização de organismos geneticamente modificados nem de radiação”, explica. 

O pesquisador da Embrapa aponta que, “de maneira geral, esse tipo de agricultura é praticado principalmente por agricultores familiares e comunidades indígenas, sem a utilização de máquinas agrícolas e de insumos sintéticos, empregando essencialmente recursos locais, e tem suas práticas passadas de uma geração para outra”.

SAÚDE COMO TENDÊNCIA

A popularização da produção orgânica no Brasil se deu no início dos anos 2000, especialmente após a vigência da lei que regulamenta o setor. O principal motivo para isso está na compreensão, cada vez mais ampla, dos benefícios ambientais e nutricionais do seu processo de produção. 

De acordo com dados de 2018 da Nielsen, 28% da população brasileira declara ter aumentado, recentemente, o consumo de orgânicos e diminuído a ingestão de sal, açúcar, gordura e industrializados. Tanto é que, no último ano, as vendas de produtos saudáveis cresceram 12,7% no Brasil, segundo o estudo Estilos de Vida 2019, realizado pela consultoria.

O consumidor com interesse em alimentos saudáveis e sem contaminantes impulsiona o crescimento do mercado de orgânicos e, por consequência, instiga as grandes indústrias a se adaptarem às novas formas de consumo. É possível dizer que a preocupação com a saúde tornou-se, atualmente, uma tendência mundial no mercado de alimentação. 

VALE A PENA INVESTIR?

Se o intuito for atingir um público consumidor exigente e informado, preocupado com a saúde e com o meio ambiente, pode, sim, valer a pena comercializar produtos orgânicos. São pessoas que mudaram seu estilo de vida ou que estão mudando aos poucos e, para isso, procuram bem-estar, pesquisam na internet a origem do seu alimento e pedem dicas para nutricionistas. As já citadas particularidades nutricionais significativas da composição dos produtos também representam um diferencial para negócios de alimentação.

MUITO ALÉM DA AGRICULTURA 

Além da produção agrícola, o conceito de orgânicos pode ser estendido também à pecuária (com o gado sendo criado sem remédios ou hormônios) e à indústria, no que diz respeito ao processamento de produtos – ou seja, alimentos orgânicos industrializados são produzidos sem componentes artificiais, como corantes e aromatizantes. Há, também, uma tendência de crescimento de produtos orgânicos não alimentares, como as fibras de algodão usadas na produção de roupas. Fique de olho!

 

Gostou? Fique por dentro desse e muitos outros assuntos com a Revista Assaí Bons Negócios.

VOLTAR

Vitrine do Fornecedor

Torcida
Coca-cola
Ekma
Nita Alimentos