Empreendedor

O sabor da comida afro da Kitanda das Minas

Postado em: 22 de Novembro às 11:25

Veja como a cozinha afro comandada pela Priscila Novaes levou axé ao Prêmio Academia Assaí

Destacar o sabor da comida afro e dar o merecido valor à mulher negra em todos os aspectos. Foi assim que a Kitanda das Minas surgiu e foi com a força do afroempreendedorismo e da cultura negra que a Priscila Novaes se tornou uma empreendedora.

Sua participação no Prêmio Academia Assaí deixou ainda mais claro como é importante ter essas raízes vivas e o quanto seu trabalho pode influenciar novas mulheres a conquistarem um lugar de prestígio, seja na cozinha ou não.

 

COMO TUDO COMEÇOU

Priscila (34 anos) tem formação em Técnico em Cozinha (ETEC-SP) e especialização em Gestão Empresarial (FATEC).

Ela sempre viu sua mãe cozinhar e acredita que o dom tenha sido herdado da família: “sou filha de mãe baiana e pai mineiro. Acho que isso me abriu as portas e me deu inspiração para cozinhar”, disse ela.

Sua trajetória nos negócios e na gastronomia começou muito antes, quando ainda vendia café da manhã nas estações de trem da cidade de São Paulo.

Apesar de fazer o que gostava, a rotina era bem puxada e as vendas não estavam rendendo o necessário para continuar de maneira estável.

Nesse meio tempo, Priscila tentou ingressar em um trabalho formal de operadora de Telemarketing, mas não se manteve na área e sonhava em retomar as atividades na gastronomia.

Aos poucos, foi voltando para o setor de alimentação e aceitando encomendas diversas, como bolos, salgados, doces para festas, ovos de Páscoa e tudo o mais. Tudo para fazer com que o seu negócio se mantivesse na ativa.

Com muitos desafios para continuar seus objetivos, Priscila soube de uma oportunidade que poderia ajudar muito e resolveu se inscrever em um programa de investimento para microempreendedores.

Felizmente, ela foi contemplada com um crédito e teve a chance de pôr suas ideias em prática!

 

NASCE A KITANDA DAS MINAS

Priscila é negra, cozinheira e queria que o seu negócio tivesse o seu estilo, não só de cozinha, mas de personalidade: “eu sentia falta dessa representatividade, de mostrar a cultura africana e o reconhecimento da mulher negra”, completou.

Ela escolheu algo que a representasse e pudesse mostrar o poder de suas raízes. Por isso, inspirou-se nas quitandeiras africanas, nas baianas do acarajé e em todo esse contexto para criar a Kitanda das Minas.

Com pratos típicos da culinária negra, a Kitanda opera exclusivamente em eventos com o serviço de afrobufê, com vendas sob encomenda e cardápio diversificado.


Afrobufê da Kitanda das Minas. Foto: www.facebook.com/kitandadasminas/

Uma realização que traz muita visibilidade e explora diversos pontos da cultura negra, apresentando aos clientes a gastronomia de matriz africana e o papel da quitandeira como fonte de riqueza, saber e provedora de alimento.

“Busquei inspiração nessas mulheres de matriz afro, que são supervalorizadas pelo poder sobre os alimentos e detêm o saber ancestral. Me identifico com esse estilo de cozinha e acredito que a Kitanda das Minas tenha esse papel também”, revelou.

 

VIVENDO O PRÊMIO

Como os demais ganhadores do Prêmio Academia Assaí, a Priscila se sentiu muito feliz e privilegiada por estar fazendo parte de um momento tão importante como esse, não só para o seu negócio, mas também para o seu crescimento pessoal e amadurecimento na gestão do seu negócio.


Apresentação da Sabrina na Final do Prêmio Academia Assaí.

Ela já conhecia São Paulo, pois é a cidade em que a Kitanda das Minas se mantém. Como empreendedora, ela pôde perceber que todos os seus desafios eram compartilhados pelos seus colegas, que viveram ou ainda vivem momentos parecidos, os quais todo empreendedor precisa conhecer.

“Quando cheguei para a Semana de Capacitação, senti uma alegria muito grande e tudo o que vivemos ali serviu para ter aprendizado e reflexão sobre o nosso negócio. A apresentação para a banca foi bem difícil, mas serviu para conhecer mais sobre o meu negócio e dar mais ânimo!”, disse Priscila.

O que mais marcou a passagem da nossa ganhadora por São Paulo foram as visitas à Nestlé e à Ekma, onde pôde conhecer novos produtos que, hoje, fazem parte da etapa de produção do Kitanda das Minas, além de ter ganhado um curso de pizzaria!

 

O QUE VEM POR AÍ

Como a Priscila ainda está em processo de maturação do seu negócio, existem muitas melhorias que ela gostaria de implementar e que ajudariam muito no serviço em geral.

A primeira coisa que ela destacou foi a necessidade de um veículo próprio para melhorar sua logística e facilitar a locomoção de um evento para o outro.

Outra coisa foi o desejo de adquirir um ponto fixo para promover ainda mais a Kitanda das Minas. Dessa forma, os clientes poderiam consumir e frequentar seu ponto de venda sem precisar ter que ir a um evento específico, usufruindo da melhor forma e tendo um contato bem mais próximo.

Além disso, a Priscila contrata, esporadicamente, algumas pessoas para trabalharem no Kitanda, dependendo do tamanho do evento, e o ideal seria ter uma equipe. O objetivo dela é ampliar o time e dar treinamento constante para que essas pessoas também aprendam mais sobre o negócio e possam, futuramente, empreender em algo próprio.

Muito legal a história da Priscila e o empoderamento que a Kitanda das Minas traz, não é mesmo?

Fique de olho na Academia Assaí. Temos ainda muitas histórias para contar!

VOLTAR

Vitrine do Fornecedor