Empreendedorismo

Da adversidade, uma oportunidade

Postado em: 20 de Setembro às 09:00 Por Ana Paula Moreira

Família utiliza o auxílio emergencial para abrir um pequeno negócio e consegue multiplicar o dinheiro

Quando a pandemia começou, Maria Célia Sousa, Araguaína (TO), enfrentava um grande desafio. Como ela e as três filhas estavam desempregadas, a única fonte de renda da família era o auxílio emergencial fornecido pelo Governo Federal. Mesmo com o impacto sofrido, ela percebeu que investindo os R$600 em um pequeno negócio, era possível multiplicar o valor do auxílio.

Com experiência profissional como cozinheira, ela tinha o sonho de ter o próprio restaurante. Devido às medidas restritivas causadas pelo isolamento social, o caminho encontrado para se aproximar do seu objetivo era começar apenas com o serviço de delivery, sem atendimento presencial ao público.

O próximo passo foi compartilhar a ideia com as três filhas, Eliane, Helionicy e Hellyorranny. Elas resolveram se unir para tornar o sonho da mãe uma realidade. Investiram todo o dinheiro do auxílio emergencial para comprar os mantimentos e começaram a fazer marmitas para vender. 
“Para começar a produção, divulgamos o cardápio em um grupo do WhatsApp do setor que moramos. Com um preço acessível, sabor e variedade nos pratos, conquistamos os nossos primeiros clientes”, conta Maria.  
Em quatro meses, o retorno do investimento superou as expectativas da família. Elas chegam a produzir até 60 pratos em apenas um dia, conquistando um faturamento mensal de 6 mil reais. 
 

Academia Assaí - Família encontra oportunidade na adversidade
Equipe da empresa Marmitex das Meninas

Para chegar a esse resultado, a união da mãe e das filhas foi essencial. O trabalho começa cedo na cozinha da casa da família. Todos precisam colocar a mão na massa para conseguir manter o ritmo da produção. Com muito foco no trabalho, elas cozinham, cuidam das embalagens e registram os pedidos feitos por WhatsApp, telefone e Instagram. 

No começo, a entrega era feita de bicicleta apenas por elas, nos bairros próximos de onde moram. Com o aumento da demanda, elas contrataram um entregador e agora conseguem atender todos os setores de Araguaína.  
 “Eu acreditei no meu sonho e com muita fé em Deus, eu sabia que seria possível multiplicar o dinheiro do auxílio. Esse foi apenas o primeiro passo para abrir o meu restaurante”, conta. E do que depender de Maria, o objetivo será concretizado o mais breve possível.

Histórias como essas mostram que, mesmo em meio a tantos desafios, é possível encontrar uma oportunidade de crescimento. Está planejando empreender? Conheça a história de quem decidiu empreender em 2020 

Vitrine do Fornecedor

Unilever
Kibon
DelValle
Coca-cola