Empreendedorismo

Pesquisas mostram otimismo dos pequenos negócios quanto à retomada

Postado em: 19 de Setembro às 09:00 Por Gabriel Sestrem

Desde o início da quarentena, essa é a primeira demonstração de alta no otimismo dos donos de pequenos negócios

Pela primeira vez desde o início da pandemia do novo coronavírus, proprietários de pequenos negócios no Brasil estão otimistas quanto ao retorno à normalidade da economia. Com o movimento de reabertura dos estabelecimentos em grande parte dos estados, as micro e pequenas empresas começam a dar sinais de reação diante da crise. Esse retrato favorável foi revelado pela 6ª Pesquisa de Impacto da Pandemia de Coronavírus, realizada pelo Sebrae em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV).

O levantamento, coletado entre os dias 27 e 30 de junho, contou com a participação de 6.506 empreendedores – compostos por 57% de microempreendedores individuais (MEI), 38% de microempresas (ME) e 5% de empresas de pequeno porte (EPP) – de 26 estados mais o Distrito Federal. Desses, 76% afirmaram que seus negócios já haviam voltado a funcionar na época da pesquisa.

Quando o assunto são as mudanças e adaptações necessárias para o funcionamento dos negócios durante a pandemia, apenas 13% dos entrevistados declararam que estavam funcionando da mesma maneira que antes da crise. Por outro lado, 63% informaram que fizeram mudanças no empreendimento. Além desses, 21% apontaram que ainda estão com o funcionamento interrompido, e 3% afirmaram que decidiram encerrar o negócio em meio à quarentena.

Quando se trata especificamente do segmento de alimentação, os números são os seguintes: 5% estão funcionando da mesma forma que antes da crise; 63% recorreram a adaptações e mudanças; 26% estão com o funcionamento temporariamente interrompido; e 6% decidiram fechar o negócio.  

Outra pesquisa que também demonstrou otimismo por parte de pequenos e médios empreendimentos foi a realizada pela segunda edição do Relatório Global sobre a Situação de Pequenas Empresas (Global State of Small Business Report), feito pelo Facebook, em parceria com o Banco Mundial e a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Com dados coletados entre os dias 24 e 30 de junho, o levantamento considerou informações de 246 empresas brasileiras entrevistadas e apontou que a taxa de otimismo é 15% maior do que a da pesquisa realizada em maio, na primeira edição. 

Para Rômulo Ziroldo, consultor empresarial que atua principalmente no setor de alimentação, tal otimismo já se reflete nas vendas de seus clientes: “No momento, estamos notando uma alta no faturamento de pequenos restaurantes, principalmente os que conseguiram se consolidar nos serviços de delivery durante a quarentena. Com foco nas adaptações e medidas necessárias de proteção, a tendência é que as vendas sigam avançando nos próximos meses”.

Quando questionado sobre o que deve ser feito para uma volta gradativa e com fluxo de caixa positivo, o contador afirma que este é o momento de explorar todos os recursos gratuitos disponíveis: plataformas, aplicativos e ferramentas que ajudam no controle financeiro e na comunicação do empreendimento se fazem ainda mais necessários, para que haja um controle rígido das finanças e divulgação eficaz das atividades que estão sendo retomadas.

REDUÇÃO DO ENDIVIDAMENTO

Outro dado positivo da pesquisa mostra a melhoria no nível de endividamento dos pequenos negócios, que caiu pela segunda vez desde o começo da quarentena. Enquanto na quarta edição do levantamento, feita em maio, 41% dos empreendedores possuíam empréstimos ou dívidas em atraso, e na quinta edição, realizada em junho, esse número estava em 40%, no estudo mais recente o percentual caiu para 36%.
O presidente do Sebrae, Carlos Melles, comemora os dados, que indicam um melhor cenário e melhores perspectivas para os donos de pequenos negócios. “A pesquisa mostrou sinais de otimismo, de retomada.  A grande maioria dos pequenos negócios já voltou às suas atividades. As micro e pequenas empresas representam 99% do total de empresas do Brasil, e representam também mais de 50% de todos os empregos com carteira assinada. Por isso essa notícia é tão boa, no sentido de que os pequenos empreendimentos estão retomando suas atividades”, declara.

PRÊMIO ACADEMIA ASSAÍ BONS NEGÓCIOS

As inscrições da terceira edição do Prêmio Academia Assaí Bons Negócios já estão abertas! O evento premiará pequenos empreendedores do setor de alimentação em todas as regiões do Brasil, com apoio financeiro durante três meses, assessoria especializada e muito mais!  Imperdível, né? Acesse o site do Prêmio e veja como participar. 

Vitrine do Fornecedor

Unilever
Kibon
DelValle
Coca-cola